sexta-feira, 10 de julho de 2015

Encontro dos movimentos sociais com Papa Francisco n Bolívia

Representantes do Programa Urbano também estiveram em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, para  o II Encontro Mundial dos Movimentos Populares com o Papa Francisco, que recebeu delegados de todo o mundo. "Francisco é o primeiro Papa que nos escuta! Temos uma grande responsabilidade aqui”. Disse Evo Morales, o presidente da Bolívia.

 "Se a política for dominada pela especulação financeira, ou se a economia for governada apenas por um paradigma tecnocrático e utilitário preocupado apenas com o aumento da produção, não conseguiremos compreender, quanto mais resolver, os grandes problemas da humanidade", disse o Papa.

No encontro o cardeal Peter Turkson disse que a Igreja quer escutar o grito dos pobres: "o grito, a queixa, o protesto e a pressão dos pobres são de vital importância para que os poderosos do mundo compreendam que assim não se pode continuar. A Igreja quer escutar este grito e somar-se a ele[...]. A Igreja quer unir suas mãos nesses processos e ajudá-los para que a cada dia suas cooperativas sociais, suas associações comunitárias, suas comunidades campesinas e indígenas se fortaleçam, para que possam dar mais e melhores condições para o desenvolvimento integral dos excluídos como pessoas, famílias e povos”.



A visita do Papa por três países da América Latina, que começou na segunda-feira no Equador, acaba no domingo no Paraguai.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

5ª Jornada de Moradia: A relação da Justiça com a moradia e a cidade

Educadores do Programa Urbano participaram da 5ª edição da Jornada da Moradia Digna que  aconteceu nos dias 4 e 5 de julho, com o tema “Justiça para quem?” Os debates este ano focaram a relação da Justiça com a moradia e a cidade. 
O evento é organizado por diversas instituições públicas e privadas, dentre elas a Defensoria de São Paulo, Ouvidoria da Defensoria e PUC-SP, e por movimentos sociais engajados na questão do direito à cidade e à moradia digna.
Durante a Jornada, os participantes discutiram, essencialmente, a forma como o sistema de Justiça – Juízes, Ministério Público, Defensoria Pública, advogados públicos e populares – tem atuado nos conflitos fundiários urbanos. Ou seja:  como as partes envolvidas são ouvidas e atendidas; se as soluções adotadas estão ou não promovendo justiça social. Também foi debatida a criminalização de movimentos sociais envolvidos com a questão da terra e o posicionamento do judiciário em relação ao conflito “moradia x propriedade”
Por conta do tema, esta 5ª Jornada pretende criar espaços coletivos formados, em especial, por segmentos marginalizados da população, onde seja possível compartilhar experiências, aumentar conhecimentos e conscientizar a sociedade quanto à situação de exclusão que tem acompanhado a construção das metrópoles.
Pré-Jornadas
Antes da 5ª Jornada de Moradia Digna, foram realizadas as pré-jornadas, eventos divididos em cinco dias, um em cada zona de São Paulo. Nestes encontros, ocorreram discussões com moradores e lideranças de comunidades para levantar suas demandas e os problemas por eles enfrentados.
5ª Pré-Jornada da Moradia Digna
Data: 4 e 5 de julho de 2015
Local: Avenida Nazaré, 993, Ipiranga (Campus Ipiranga da PUC-SP)
Horário: 9h-18h
Com informações do Site da Associação Paulista dos Defensores Públicos
http://www.apadep.org.br/noticias/5a-jornada-da-moradia-digna-acontece-em-julho/